12
nov
10

Salão do Automóvel SP 2010 – Opiniões e Impressões

Há duas semanas estive em São Paulo para prestigiar o 26° Salão do Automóvel, chegando ao seu 50° ano. No último final de semana foi a vez da Formula1, e por causa do burburinho do evento decidi só agora escrever sobre o Salão, minhas opiniões e observações, sem fotos, por equanto.

O que geralmente surpreenderia não me surpreendeu, nem pra bem nem pra mal. O local, Anhembi, eu já conhecia, por saber da dimensão do evento, da magnitude dos expositores e as dimensões do lugar, o tamanho (gigantesco, diga-se de passagem) não foi surpresa. Muita, mas muita gente mesmo, também já esperava, e muitos carros de todos os tipos, modelos e características, eu também esperava, mas pontuei algumas coisas, e vamos a elas.

Que o mundo é dos chineses não podemos mais negar, e o que tinha de marca de origem oriental nesse Salão não era brincadeira, e o melhor, os carros cada vez mais bonitos, com mais tecnologia embarcada, preços convidativos e garantias, item esse que até pouco tempo preocupava muita gente na hora de comprar um “carro importado”.

Os Stands de lojas e/ou empresas de sons automotivos, rodas e equipamentos esportivos trouxeram lindos carros, com destaque para a Petrobras que trouxe dois lindos Bentleys que utilizam etanol.

Os conceitos eram um show a parte, dos mais futuristas e improváveis como os da Hyundai, BMW e da Citroen (modelo este que faz parte do jogo GranTurismo), passando pelos elétricos, que devem chegar em breve ao mercado, e chegando aos especiais como o Novo Uno conversível, e uma Pick-Up Toyota quase, eu falei quase, BigFoot.

O stand destaque pra mim ficou com a BMW que apelou para um projeto monocromático, e levou apenas carros brancos, modelos vestidos de branco, ambiente quase todo branco até com “árvores” brancas (!?).  Uma atenção especial para os modelos esportivos de “sobrenome” M, e para a Série7 Hibrida.

Que os medalhões viriam com força, todos já esperavam, mas uma marca que me chamou atenção foi a Hyundai, que deve apresentar em breve modelos muito interessantes no mercado. Outro Stand que me surpreendeu pela beleza, elegância e sobriedade foram a Aston Martin. Com carros belíssimos, escuros, modelos e ambiente sóbrio e sempre fazendo uma alusão ao agente secreto James Bond.

A decepção do Salão ficou por conta do Bugatti Veyron. Vamos lá, não que o carro seja feio, mas não é nem de perto o que eu imaginava. Mas pensando bem, talvez minha opinião não fosse essa se a loja/revendedora/representante tivesse explorado o lado “estrela da festa” que o carro, até pelo preço, merecia. Ele ficou apertado, ofuscado (não pela beleza, pelo tamanho) por dois belíssimos e enormes Bentleys, e em um espaço que EU colocaria apenas o “branquíssimo” Veyron. Taí, talvez um carro daqueles tão branco, o “apagou” naquele ínfimo espaço de canto.

Destaque individual, não tem como passar em branco, vai para o MONSTRUOSO Pagani Zonda. O Carro é grande, charmoso, grosseiro (no bom sentido), com detalhes chamativos e típicos de um carro de competição e estava em destaque, num espaço grande, com iluminação em destaque e bem apresentado.

O “troféu cara de pau” fica por conta do Lifan. Ainda novo por aqui, a cópia “safadinha” do Mini Cooper além de estar muito bem representada num Stand bonito e chamativo, estava localizado exatamente ao lado do seu “irmão” de cópia, o Mini.

Ponto alto das performances ficou para o Stand das Lotus que foram de Ayrton Senna. Com apresentações regadas a fumaça, iluminação, sonorização, depoimentos do próprio Ayrton e a emocionante Música da Vitória, foi praticamente impossível segurar a emoção. Confesso, engasguei e os olhos lacrimejaram. E claro, uma lojinha do instituto Ayrton Senna daquelas que sua carteira salta do bolso quando vê.

Ford, Chevrolet, Fiat e Volkswagen estavam em espaços absurdamente grandes, com carros caros, médios e populares, pouquíssimos lançamentos e muito entretenimento para o público. A Ferrari, Masserati, Lamborghini, Jaguar e outras grandes ficaram no mesmo, belos carros, muita gente em volta, nada de interatividade ou contato com as “máquinas” e um show de automóveis.

No geral, os carros para um público mais seletivo eram todos brancos ou bem sóbrios, os populares e chineses mais baratos bem coloridos, até demais. As montadoras famosas abusaram dos espaços e das suas estrelas, e brilharam claro, os carros mais “vendáveis” estavam ao alcance de uma foto na posição de piloto, os figurões ficaram bem protegidos, como manda o figurino.

Mas vocês devem ter sentido falta do comentário de algo em específico né? Porsche…tem que aparecer esse nome por aqui sempre, mas maiores detalhes, minhas impressões e opiniões, merecem um posto especial, e fica pra semana que vem.

 

Abraços, e até a próxima.

Tell

 

Anúncios

2 Responses to “Salão do Automóvel SP 2010 – Opiniões e Impressões”


  1. 1 Roberto Rodriguez
    novembro 12, 2010 às 10:36 am

    Caro amigo Tell,

    Descreveu exatamente o que vimos, e vou ficar esperando o capitulo Porshe.
    Cabe aqui tambem lembrar que voce não deve deixar de fora os comentarios sobre as “Ferraris Brancas” do salão que eram fantasticas.
    Abraços.

    Beto


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: